quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Por que muitas Assembleias de Deus estão se neopentecostalizando?

Em muitas Assembleias de Deus, o tempo da exposição da Palavra de Deus tem sido suprimido ou reduzido por causa de shows de coreografia ou peças teatrais. Além disso, pregações sobre a obra expiatória do Senhor Jesus e as ministrações do Espírito Santo têm cedido espaço à falaciosa Teologia da Prosperidade e ao aberrante “reteté”. A exposição das Escrituras sob a unção do Espirito não é mais suficiente. É preciso animar auditório, recorrer a práticas bizarras, como derramar jarras de azeite sobre a cabeça, ou empregar técnicas para emocionar as pessoas, como o famigerado fundo musical. É triste, mas em muitas Assembleias de Deus o culto não é mais para Deus e faz-se de tudo um pouco para agradar as pessoas e massagear seus egos. Capoeira, “gospel funk”, street dance, “festa jesuína” e outras formas de entreter o povo têm sido adotadas como estratégias de “evangelização”. Está essa igreja pentecostal centenária se neopentecostalizando? A bem da verdade, o Deus da Assembleia tem as suas reservas na terra. Há pastores e expoentes das Escrituras que têm cuidado de si mesmo e da doutrina (1 Tm 4.16) e não se deixaram influenciar pelo místico neopentecostalismo. Mas muitos líderes que se dizem assembleianos já se neopentecostalizaram — infelizmente —, a fim de agradarem a uma multidão de interesseiros. Todos os líderes da Assembleia de Deus deveriam saber que o modelo de culto pentecostal não está nas igrejas neopentecostais — que propagam um culto pseudopentecostal —, e sim na Palavra de Deus, mais precisamente em 1 Coríntios 14. Esta passagem bíblica apresenta, pelo menos, sete caracteríscas para o culto genuinamente pentecostal. 1. O propósito principal da manifestação multíplice do Espírito Santo em um culto coletivo a Deus é a edificação do seu povo (vv. 4,5,12). Risos intermináveis e supostas quedas de poder edificam em quê? 2. A faculdade do intelecto não pode ser desprezada no culto em que o Espírito Santo, de fato, age (vv. 15,20). Ninguém genuinamente usado pelo Espírito deixa de raciocinar normalmente, em um culto coletivo a Deus. 3. Um culto a Deus não deve levar os incrédulos a pensarem que os crentes estão loucos (v. 23). O que pensam os não-crentes que assistem a certos vídeos disponíveis no YouTube, nos quais vemos pessoas caindo ao chão, rindo sem parar, rosnando, latindo, mugindo, rugindo, uivando e rolando umas sobre as outras? 4. O culto coletivo deve ter ordem e decência; tudo deve ocorrer a seu tempo: louvor, exposição da Palavra, manifestações do Espírito (vv. 26-28,40). Um culto que não tem ordem nem decência é dirigido pelo Espírito? 5. No culto genuinamente pentecostal deve haver julgamento — segundo a reta justiça, conforme João 7.24 —, discernimento, a fim de se evitar falsificações (v. 29). Leia também 1 Coríntios 2.15 e 1 João 4.1. 6. Haja vista o espírito do profeta estar sujeito ao próprio profeta, é inadmissível que aconteçam manifestações consideradas do Espírito Santo em que pessoas fiquem fora de si (v. 32). 7. O Deus que se manifesta no culto coletivo não é Deus de confusão, senão de paz (v. 33). Quando um showman como Benny Hinn derruba pessoas carentes de uma bênção ou os seus supostos opositores com golpes de seu paletó, além da confusão que se instala no “culto”, tal atitude não é nada pacificadora. E quem recebe a glória, indutivamente, é o próprio showman. Diante dos princípios apresentados, não há como considerar o “cair no Espírito” e a “unção do riso” como manifestações genuinamente do Espírito Santo! Não nos enganemos. O verdadeiro avivamento só ocorre quando há submissão à Palavra de Deus e ao Deus da Palavra. Lembremo-nos de que, se alguém cuida ser profeta ou espiritual, deve reconhecer os mandamentos do Senhor (1 Co 14.37). Ciro Sanches Zibordi