sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Admirador ou Adorador?

Essa postura contemplativa é antiga, os gregos já adotavam esse comportamento: Assentavam-se à beira de um lago ou num belo jardim e ali ficavam horas acreditando que pelo fato de serem contemplativos chegariam mais perto de Deus ou daquilo que pensavam ser deus. Contemplavam, mas não tinham uma ação concreta. Quando Jesus encontra com a mulher samaritana, ele lhe diz algo que vai ao cerne de sua mente, de sua idéia de adoração. Está registrado em João 4: 23, 24 “ Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem. Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade ”. A exemplo tanto dos gregos, quanto da mulher de Samaria, é comum até os dias de hoje pessoas que são apenas admiradores de Deus, da igreja, da religião. Simpatizam-se, entretanto, não querem um envolvimento com a obra. Algumas posturas são nítidas nos admiradores: estão ali, sabem tudo o que acontece, estão atentos aos detalhes, mais atentos aos erros do que às virtudes. Por serem apenas admiradores, têm uma postura crítica. Jesus tinha muitos problemas com eles. Os fariseus, por exemplo, criticavam Jesus em tudo: se curava, era no dia errado, pois no sábado não podia acontecer milagres. Quando ressuscitou Lázaro, depois de uns dias queriam matar não apenas Jesus, mas também a Lázaro por ser agora uma testemunha viva do poder de Deus. Conseguiam atentar ao fato de os discípulos não terem lavado as mãos antes de comer, (isso era pelo ritual e não pela higiene) mas não conseguiam enxergar por dentro de si mesmos a sujeira, não da rua, mas do pecado que os fazia sepulcros caiados, como foram chamados pelo próprio Jesus. Estavam podres por dentro, mas sempre eram críticos, admiradores atentos ao que pressupunham estar contraditório, sem entretanto, agir de conformidade com a Palavra de Deus. Há muitos anos conheci uma pessoa que dizia assim: “ não quero me envolver. Gosto de chegar após o início do culto e sair antes do término, quero só receber oração, mas não quero cargo ”. Os admiradores estão sempre na defensiva, sempre certos, têm uma explicação lógica para essas posturas, não aceitam o confronto do Espírito Santo. A mulher samaritana ao conversar com Jesus estava pronta para fazer perguntas, para questionar Jesus: “ Como sendo tu judeu, me pedes de beber a mim que sou mulher samaritana ”? Ou, “ tu não tens com que tirar, e o poço é fundo ”. E ainda, “ És tu maior que o nosso pai Jacó que nos deu o poço ”? Jesus vai ao âmago da alma daquela mulher: “ Vai, chama o teu marido.... disseste bem: não tenho marido, porque tiveste cinco e o que agora tens não é teu marido ”. Ela reocupava-se também quanto ao lugar da adoração, se no monte ou em Jerusalém. Mas não conseguia enxergar seu pecado, sua contaminação moral. Jesus deixou claro que a postura é que valia não o lugar. Nunca pense em adotar essa postura de admirador, se por falta de esclarecimento tens permitido que isso faça parte de você, lembre-se do que foi dito à mulher samaritana: “ O Pai procura adoradores. Adorar é prostrar-se, é se entregar sem reservas, é obedecer, é estar pronto a agir pela causa do evangelho com base na Palavra, não naquilo que acha. É trabalhar, é abnegar. É ter compromisso.É dizer sim, pode contar comigo! A causa do evangelho nunca precisou de admiradores, precisou, e sempre precisa de gente para trabalhar. Esteja disponível! Pastor Luiz Carlos Santos