terça-feira, 12 de abril de 2011


O GRANDE VENCEDOR


Jeová plantou um Jardim no Éden, da banda do oriente, e pôs ali o homem que havia formado (Gn. 2:8). E Jeová deus fez brotar da terra toda a árvore agradável à vista e boa para comida (Gn. 2:9). E colocou nesse jardim de delícias a árvore da vida no meio, e a árvore do conhecimento do bem e do mal.

Jeová sentia grande prazer em passear nesse jardim maravilhoso às tardes, na viração do dia (Gn. 3:8). Jeová formou um homem para lavrar e guardar esse Jardim, e capacitou-o soprando em seus narizes o fôlego da vida (Gn. 2:7). Esse fôlego da vida é a energia divina, espírito abundante. No livro de Jó lemos que o Todo Poderoso soprou em Adão o entendimento (Jó 32:8). Jeová equipou Adão para cuidar do Jardim. No Salmo oito lemos: “Pouco menor o fizeste do que os anjos, e de glória e de honra o coroaste. Fazes com que ele tenha domínio sobre as obras das tuas mãos, tudo puseste debaixo de seus pés, todas as ovelhas e bois, assim como os animais do campo, as aves e os peixes do mar” (Sl. 8:5-8; Gn. 2:19-20). Mais tarde, vendo que o homem sentia solidão, tirou uma costela, e dela fez uma mulher para Adão. Ambos podiam desfrutar com Jeová do jardim de delícias. A única ordem de Jeová era não tocar na árvore da ciência do bem e do mal (Gn. 2:17).

Satanás, com suas manhas, entrou no jardim secreto de Jeová, e fez uma grande devastação. Contaminou a mulher, e esta tomou do fruto proibido e comeu. Depois deu ao marido e ele comeu com ela (Gn. 3:6). Foram os dois expulsos do paraíso, condenados à morte com a descendência, e o jardim fechado e lacrado com uma espada de fogo (Gn. 3:17-24). Quem foi o grande vencedor nessa história? Satanás, que não deu a mínima para a maldição de Jeová, e continuou na obra devastadora. Quatro mil anos mais tarde tentou derrubar Jesus Cristo (Lc. 4:5-8).

Houve um segundo confronto entre Jeová e Satanás. No tempo de Jó, que segundo alguns estudiosos, descendia de Esaú (Gn. 36:28). Houve um dia em que os filhos de Deus estavam reunidos, e Satanás estava entre eles como se nunca tivesse sido amaldiçoado por Jeová. E Jeová, amistosamente lhe disse: “Observaste meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem sincero e reto, temente a Deus e desviando-se do mal? Ao que Satã retrucou, dizendo: Não o cercaste tu de bens? E a sua casa, e a tudo quanto tem? A obra das suas mãos abençoaste, e o seu gado aumenta na terra. Mas estende a tua mão, e toca-lhe em tudo quanto tem, e verás se ele não blasfema de ti na tua face. Jeová então disse: Eis que ele está na tua mão, somente contra ele não estendas a tua mão." Satanás então meteu fogo em tudo o que Jó tinha, destruiu seus rebanhos e matou seus sete filhos e as três filhas. Quem foi o vencedor neste confronto? Claro que foi Satanás. Jeová confessa no capítulo dois. Os filhos de deus estavam novamente reunidos, e lá estava Satã, que tinha livre acesso em tudo o que Jeová fazia. Ao vê-lo, Jeová novamente lhe diz: Notaste meu servo Jó, homem sincero e reto, temente a deus e desviando-se do mal, havendo-me tu incitado contra ele sem causa? Satanás investe novamente contra Jeová, dizendo: Estende tua mão e toca-lhe nos ossos e na carne, e verás se não blasfema de ti na tua face. Então saiu Satanás da presença de Jeová e feriu Jó de uma chaga maligna (lepra). Quem venceu esta batalha? Satanás venceu, pois Jó padecia sem motivo, e Jeová não livrou da mão de Satanás (Jó 1:6-12; 2:1-7). É verdade que no fim da vida de Jó, Jeová mudou seu cativeiro dando-lhe o dobro de tudo quanto perdeu, e ainda gerou mais sete filhos e filhas (Jó 42:12-13). Esta segunda bênção de Jeová não desfaz a vitória de Satanás sobre ele, e também os novos dez filhos não substituem os perdidos na maldição. Em hipótese alguma, um novo filho tira a dor do primeiro quando morre.

Mas Jeová e Satanás tiveram outro grande confronto, e este foi terrível, Jeová é o criador de Israel. “Assim diz Jeová, que te criou, ó Jacó, e que te formou, ó Israel: Não temas, porque eu te remi, tu és meu” (Is. 43:1-3). Jeová criou Israel para a sua Glória (Is. 43:7). O povo de Israel era testemunha de Jeová neste mundo (Is. 43:12). Jeová se declara o rei de Israel (Is. 43:15). Jeová também afirma que os israelitas eram seus filhos. “Então dirás a Faraó: Israel é meu filho, meu primogênito” (Ex. 4:22). Esses filhos de Jeová não eram santos, e se esqueceram do seu deus e pai. Jeová então, irado, os despreza com fúria infernal, mandando pragas, pestes, setas mortíferas (Dt. 32:18-25). O povo, sofrendo as vinganças de Jeová, queixa-se e acusa-o, dizendo que Jeová, seu pai, é que os faz desviar para o mal(Is. 63:16-17). O fim desse povo foram dois cativeiros. O primeiro na Assíria 720 anos antes de Cristo, e o segundo na Caldéia, 600 anos antes de Cristo. Israel foi passando de mão em mão até o tempo de Cristo, quando estava sob o jugo romano. E Jesus então diz aos religiosos judeus: “Vós tendes por pai o diabo” (Jo. 8:44). Nessa grande disputa para saber quem era o pai de Israel, quem saiu vencedor? Satanás. Como aconteceu isso ninguém sabe. Houve uma quarta peleja entre esses dois gigantes guerreiros. Jeová declarou: “Assim diz Jeová deus que criou os céus, e os estendeu, e formou a terra e a tudo quanto produz; que dá respiração ao povo que nela está, e o espírito aos que andam nela” (Is. 42:5). “Eu criei a terra, e criei nela o homem, eu o fiz; as minhas mãos estenderam os céus, e a todos os seus exércitos dei as minhas ordens” (Is. 45:12). “Louvai a Jeová desde os céus, louvai-o nas alturas” (Sl. 148:1). “Louvai-o, Sol e Lua; Louvai-o, todas as estrelas. Louvai-o, ó céu dos céus. Louvem o nome de Jeová, pois mandou, e logo foram criados” (Sl. 148:3-5). E Jeová declara que fundou os alicerces da terra, e assentou sobre eles o mundo (I Sm. 2:8). Declara também que a terra, o mundo, e os que nele habitam lhe pertencem (Sl. 24:1; 89:11). E Jeová garante que o mundo se firmará para sempre, pois ele reina (I Cr. 16:30-31). E Jeová afirma, que reina, e por isso o mundo se firmará para sempre, para que não se abale (Sl. 96:10; 93:1). Pois bem. Paulo declara outra coisa. “Porque a criação ficou sujeita à vaidade, não por sua vontade, mas por causa daquele que a sujeitou, na esperança de que também a mesma criatura será libertada da servidão da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus” (Rm. 8:20-21). Alguém, mais poderoso que Jeová abalou a terra, o mundo, e as criaturas, e mantem tudo cativo (I Jo. 5:19).

O problema grave é que Jeová declarou que tudo está nas suas mãos e sob controle, e que nenhum deus pode abalar o seu poder, e ninguém escapa das suas mãos (Dt. 32:39). Declarou, também que o que determina, ninguém pode mudar (Is. 14:27). E disse também que só ele opera tudo, e ninguém pode impedir (Is. 43:13). Sendo assim, nessa batalha, o vencedor foi Satanás, pois subjugou a criação de Jeová, e este mundo está em suas mãos (I Jo. 5:19). E Pedro revela que este mundo, do qual Jeová garantiu que se firmará, será queimado a fogo (II Pd. 3:7). Satanás reina absoluto com os troféus da vitória sobre Jeová, isto é, os homens. Cristo veio par libertar das mãos de Satanás (At. 26:16-18).

Uma coisa, porém, assusta e assombra. Qualquer cristão fiel e cheio do Espírito Santo, quando se defronta com alguém possesso de Satanás, levanta o braço, e ordena. Sai dele Satanás, pois eu te repreendo. E Satanás, convulsionando-se sai. É assombroso. Cristo não vai descer da glória para lutar contra Satanás. Nós somos os grandes vencedores contra ele.

PASTOR LUIZ CARLOS SANTOS